Mobilização organizada pelo STSPMP (Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Paulínia) em conjunto com outras entidades do dia 15 de março, na região central de Paulínia cidade, reuniu mais de 900 pessoas para protestar contra a Reforma da Previdência que está sendo proposta pelo governo ilegítimo de Michel Temer. A concentração começou logo cedo, às 8 horas, em frente à Igreja São Bento. A mobilização contou com o apoio da Federação dos Sindicatos dos Servidores (FESSPMESP) e de outros sindicatos que marcaram presença, como o dos petroleiros, dos químicos e dos arquitetos. Durante a passeata, palavras de ordem foram cantadas, como “você aí parado, também é explorado” para chamar a tod@s para essa luta contra o ataque aos direitos de toda a classe trabalhadora.

No período da tarde, a partir das 15hs, um ônibus com servidores públicos de Paulínia foi à manifestação, seguida de passeata, no centro de Campinas, para onde convergiram também manifestantes de diversas cidades da região. A mobilização de Campinas reuniu mais de oito mil pessoas.

MAIS DE 1 MILHÃO

A luta contra o desmonte da Previdência mobilizou um milhão de pessoas em todo o Brasil. Os atos foram convocados pela Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo. De acordo com balanço divulgado pela organização, foram registradas manifestações em quase todos os estados.

Para os organizadores, os atos do dia 15 de março “adquiram nova feição e diferente das mobilizações contrárias ao golpe, pois contou com a unidade das centrais sindicais e adesão de diversas categorias de trabalhadores nos quatro cantos do Brasil”.

As ruas das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador foram tomadas por manifestantes. Essas capitais registraram os maiores públicos do dia e ecoaram o grito de centenas de milhares de pessoas e a demonstração de resistência contra os retrocessos. Somente na Avenida Paulista, na capital de SP, foram mais de 250 mil pessoas, acompanhadas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.