Sindicato vem informar que o Tribunal de Justiça de São Paulo manteve o entendimento anterior quanto à inconstitucionalidade do 14° salário dos servidores públicos municipais de Paulínia, não apreciando os fundamentos apresentados quanto à incompatibilidade da situação atual, sem definir a modulação dos efeitos do julgamento. Como consequência, o Tribunal de Justiça não analisou o fato narrado pelo sindicato quanto ao corte feito pela Prefeitura já no mês de agosto, sem ter tido o trânsito em julgado e desconsiderando a agressão ao princípio da isonomia, em que alguns servidores receberam o 14° em 2018 e outros não. O Sindicato comunica que adotará as medidas jurídicas, administrativas e políticas cabíveis, conclamando toda a categoria para se unir contra essa arbitrariedade realizada, não aceitando que a Prefeitura "lave as mãos" e ignore essa injustiça fática

Publicado por Sindicato dos Servidores de Paulínia em Quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Sindicato vem informar que o Tribunal de Justiça de São Paulo manteve o entendimento anterior quanto à inconstitucionalidade do 14° salário dos servidores públicos municipais de Paulínia, não apreciando os fundamentos apresentados quanto à incompatibilidade da situação atual, sem definir a modulação dos efeitos do julgamento. Como consequência, o Tribunal de Justiça não analisou o fato narrado pelo sindicato quanto ao corte feito pela Prefeitura já no mês de agosto, sem ter tido o trânsito em julgado e desconsiderando a agressão ao princípio da isonomia, em que alguns servidores receberam o 14° em 2018 e outros não. O Sindicato comunica que adotará as medidas jurídicas, administrativas e políticas cabíveis, conclamando toda a categoria para se unir contra essa arbitrariedade realizada, não aceitando que a Prefeitura “lave as mãos” e ignore essa injustiça fática